Quase em Mato Grosso

Continuando nossa aventura pelo interior da Argentina, a impressão que temos é de que estamos em Mato Grosso devido à tamanha semelhança das cidades e lavouras. Entre as curiosidades, nos chamou a atenção as cercas em volta das lavouras. Em MT elas quase não existem, porém aqui são muito comuns. Também tivemos a oportunidade de conhecer uma unidade da Cargill, em Lincoln, e um terminal ferroviário que fica dentro desta unidade.

Sociedad Rural de Lincoln, entidade que representa os produtores do munícipio.
Sociedad Rural de Lincoln, entidade que representa os produtores do munícipio.
Nosso motorista oficial, Eduardo Godoi
Nosso motorista oficial, Eduardo Godoi
Fazenda Matilde do grupo La Suerte, que além de soja e milho produz leite, carne, queijos e vinhos
Fazenda Matilde do grupo La Suerte, que além de soja e milho produz leite, carne, queijos e vinhos
Eduardo gostou mesmo do mate argentino!
Eduardo gostou mesmo do mate argentino!
Escritório da fazenda Matilde
Escritório da fazenda Matilde
Lavoura de milho que sofreu com o alagamento.
Lavoura de milho que sofreu com o alagamento.
Aqui, uma parte da lavoura com milho mais avançado e outro que foi semeado a pouco tempo e ainda começa a crescer.
Aqui, uma parte da lavoura com milho mais avançado e outro que foi semeado a pouco tempo e ainda começa a crescer.
Maíz.
Maíz.
As espigas estão bem bonitas!
As espigas estão bem bonitas!
Nosso anfitrião na fazenda Matilde, Ignácio e nossos chicos Eduardo Godoi e Daniel Latorraca Ferreira.
Nosso anfitrião na fazenda Matilde, Ignácio e nossos chicos Eduardo Godoi e Daniel Latorraca Ferreira.
Mucho maíz!
Mucho maíz!
Olha que soja bonita!
Olha que soja bonita!
Ignácio mostra a qualidade da planta.
Ignácio mostra a qualidade da planta.
Uma curiosidade que nos chamou a atenção foram as cercas em volta das lavouras. Em MT elas quase não existem, porém aqui são muito comuns. Segundo os produtores, apesar de serem áreas de pecuária que foram transformadas em lavouras há cerca de 10 anos, os proprietários preferem manter as cercas. É tipo assim: o que é meu é meu e o que é seu, é seu.
Uma curiosidade que nos chamou a atenção foram as cercas em volta das lavouras. Em MT elas quase não existem, porém aqui são muito comuns. Segundo os produtores, apesar de serem áreas de pecuária que foram transformadas em lavouras há cerca de 10 anos, os proprietários preferem manter as cercas. É tipo assim: o que é meu é meu e o que é seu, é seu.
Mais cercas!
Mais cercas!
Para conseguir entrar na lavoura de soja, Eduardo Godoi precisou "pular a cerca", literalmente!
Para conseguir entrar na lavoura de soja, Eduardo Godoi precisou “pular a cerca”, literalmente!
Ignário mostra a "Ramera", uma planta que cresce junto à soja e dá trabalho aos produtores, pois resiste a quase todos os fungicidas.
Ignário mostra a “Ramera”, uma planta que cresce junto à soja e dá trabalho aos produtores, pois resiste a quase todos os fungicidas.
Soja crescendo.
Soja crescendo.
Bandeira da Argentina.
Bandeira da Argentina.
Cargill unidade Lincoln.
Cargill unidade Lincoln.
Terminal ferroviário dentro da unidade da Cargill.
Terminal ferroviário dentro da unidade da Cargill.
Grupo reunido no terminal Cargil
Grupo reunido no terminal Cargil

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s