Sistemas de confinamento surpreendem produtores de MT

Nossa segunda visita de quarta-feira foi em confinamentos na cidade de Garden City do estado do Kansas. O primeiro confinamento por onde passamos foi o Reeve Cattle Company que possui mais de 30 mil cabeças de gado e uma usina de etanol integrada. Essa visita chamou a atenção dos participantes da Missão Técnica Famato e Senar-MT pela estrutura do local.

A propriedade existe há 100 anos em uma área de conservação ambiental que pertencia ao governo. Na época, o governo cedia uma parte da terra e arrendava outra para que a região fosse colonizada. A primeira atividade foi a criação de animais da raça angus.

O consultor da Reeve Keith E. Bryant contou que antigamente a terra era bem arenosa e não tinha muitas opções de produção, de irrigação e tecnologias. “Há 100 anos viver aqui com a família não era nada fácil, ainda sem garantia de nada”, apontou Bryant.

Um dos membros da família Lee que administra a propriedade, um médico veterinário, começou a desenvolver a irrigação por pivô e, a partir disso, deu início a um pequeno confinamento com animais de alto risco, desnutridos e de baixo custo, com o intuito de recuperar e depois comercializar.

Os bezerros angus desmamados eram encaminhados de trem para as regiões onde tinham grãos e lá eram confinados. Hoje a família tem um confinamento com capacidade para 40 mil cabeças de gado (machos). Quando os animais chegam tem em média 800 a 1.000 libras de peso, com idade de um ano, e devem estar castrados para serem confinados. “Aqui não produzimos o gado, nós compramos e confinamos”, explicou Bryant.

Confinamento Reeve Cattle Company
Confinamento Reeve Cattle Company

A família Lee tem um padrão de compras do gado. Eles preferem garrotes grandes, com boa ossatura, nutridos e musculosos. “Quando o animal chega, ele é pesado e avaliado por categoria para dar subsídio à montagem dos lotes. É interessante que nos lotes os animais terminem o confinamento com aproximadamente o mesmo peso”.

No confinamento são utilizados apenas dois tipos de ração, a inicial que usa alfafa, DDG que vem da planta tipo um xarope, e a final produzida com o milho popular. Os animais engordam cerca de 1.400 a 1.500 libras. Os machos saem três horas da manhã para os frigoríficos e são sempre os primeiros a serem abatidos com um intervalo de quase três horas. Por ano 92 mil animais passam pela propriedade e por semana 1.700 a 1.800 animais entram e saem.

Participantes da Missão Técnica atentos às explicações
Participantes da Missão Técnica atentos às explicações

Segundo o gerente de pecuária do Grupo Itaquerê de Mato Grosso Hélio Beraldo de Souza, no Brasil o sistema é diferente, pois o animal tem que entrar no frigorífico até às 18h permanecendo cerca de 12 horas para daí então ser abatido.

O presidente do Sindicato Rural de Nova Canaã do Norte Mário Wolf disse que a pecuária de Mato Grosso ainda tem muito a avançar em relação às tecnologias disponíveis nos Estados Unidos, porém acredita que é possível produzir mais com o que há de tecnologia disponível no Brasil.

Etanol – A usina de etanol de milho integrada à propriedade começou por meio de incentivos governamentais. A família também fez uma parceria com um professor da Universidade do Colorado porque entenderam que o etanol seria um grande negócio. A construção começou em 1981 e terminou em 1982. A primeira produção foi de um milhão de galões.

Atualmente, a produção de etanol é feita com sorgo já que está sendo mais lucrativa para a indústria devido aos preços.

Usina de etanol.
Usina de etanol.

O segundo confinamento visitado foi o do JBS Five Rivers onde os produtores mato-grossenses se depararam com mais de 120 mil animais confinados. A apresentação do confinamento foi feita pelo gerente geral Chad Gross. A unidade iniciou em 1973 e hoje tem capacidade para 120 mil cabeças de gado.

O confinamento ocupa uma área de 800 acres e eles ainda têm outra área de 1.200 acres que dão suporte. Nesses 1.200 acres são produzidos alfafa, milho, triticale e sorgo, e essa produção ainda não é suficiente para suprir o que é consumido.

Confinamento do JBS Five Rivers
Confinamento do JBS Five Rivers

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s